Como escolher o melhor aspirador robô para sua casa

É importante observar a potência, duração de bateria e as funções disponíveis; modelos custo-benefício têm apenas modo automático, mas limpam o piso sem problema

Pesquisando por robôs aspiradores de pó, mas ainda em dúvida sobre qual modelo selecionar? O Shoptime tem algumas dicas do que observar antes de fazer sua escolha final.

Um robô aspirador de pó é uma ajuda muito prática para a limpeza dos pisos, para eliminar a poeira, fios de cabelo, pelos de animais e outras sujeirinhas do dia a dia, especialmente, pelo ganho de tempo. Enquanto seu robozinho cuida do piso, você pode dar atenção a outras tarefas.

Veja alguns itens e características dos aspiradores robôs que você deve observar, além do preço:

Tamanho e altura: é importante saber o tamanho dos equipamentos, para entender os locais por onde ele conseguirá passar. Um robô maior pode não conseguir passar por baixo de cadeiras da sala de jantar e você terá de retirá-las do ambiente em toda limpeza. Ainda assim, a maior parte dos aspiradores robôs têm menos de 10 cm de altura, o suficiente para rodar debaixo de camas box, por exemplo.

Potência: quanto maior a potência, mais força o robô terá para puxar partículas maiores e mais pesadas para dentro do reservatório. Os modelos mais econômicos têm potência a partir de 15 W. De forma geral, os robozinhos funcionam muito bem para ambientes de piso frio, madeira, taco, laminados ou cimento. Os mais potentes também são mais eficientes para se movimentar sobre carpetes e tapetes.

Reservatório: o tamanho do reservatório para sujeira e poeira varia muito entre os modelos, de pouco mais de 100 ml a mais de 500 ml. Para robôs aspiradores com reservatório menor, será preciso esvaziar o compartimento depois de fazê-lo rodar por cada ambiente da casa ou sua performance será prejudicada.

Bateria e tempo de uso: os fabricantes apresentam uma média da duração da bateria, que vai de 45 minutos a mais de 2 horas. Para os robôs que têm regulagem de potência, esse tempo será prejudicado, pois o gasto da bateria é maior.

Base ou fonte de carregamento: os modelos com perfil custo-benefício costumam vir com um carregador com fio e plug, que deve ser conectado ao aparelho. Modelos mais avançados contam com uma base de carregamento, para onde o robô consegue retornar quando a bateria acaba (se estiver no mesmo ambiente ou sem obstáculos pelo caminho).

Funções e modos de limpeza: da mesma forma que no item acima, os modelos mais simples possuem apenas um modo automático. Aparelhos mais caros têm controle remoto e funções de limpeza centralizada em uma área, em espiral, nos cantos do ambiente, em linha reta e zigue-zague, além do modo automático, que alterna entre os modos pré-programados até passar por todo o local.

Aparelhos mais modernos podem contar ainda com conectividade, sensores mais eficientes e inteligência artificial, para fazerem um melhor mapeamento da casa, serem comandados por aplicativo no celular ou assistentes como Google Home. Nos robôs mais avançados e inteligentes, é possível definir horário da limpeza e, com o ambiente mapeado, escolher as áreas a serem limpas e as áreas “proibidas”.

Fonte: Techtudo

Publicado na categoria: Dicas Úteis

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *